QUINTA-FEIRA, 20 DE SETEMBRO DE 2018
Publicada dia: 09/09/2018

Google quer acabar com a URL para combater golpes

Fonte: techtudo.com.br

O Google quer acabar com as URLs como conhecemos. O motivo é a insegurança crescente gerada pelos endereços, cada vez mais longos e confusos. Por exemplo, links encurtados ou com dados de redirecionamento são alguns que confundem usuários e facilitam a proliferação de sites falsos, phishing e outros golpes praticados por cibercriminosos.

O problema foi explicado por membros da equipe de segurança do Chrome para o site Wired. A mudança no funcionamento dos endereços não tem data e, por enquanto, o grupo está estudando as melhores soluções para iniciar a proposta de implementação.

Google estuda formas de acabar com as URLs para combater golpes (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)Google estuda formas de acabar com as URLs para combater golpes (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)

Google estuda formas de acabar com as URLs para combater golpes (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)

Para entender as motivações por trás da equipe, é importante saber o funcionamento das URLs. O acrônimo vem do inglês Uniform Resource Locator ("Localizador Uniforme de Recursos" em português). Elas consistem em links relacionados no catálogo de endereços DNS da web, que direcionam os navegadores para os IP corretos. É por meio desse recurso que você consegue digitar "www.techtudo.com.br" para entrar no nosso site, sem precisar memorizar uma sequência de números e pontos.

A questão é que não estamos mais nos anos 90. O e-commerce insere dados de direcionamento em todos os links, como forma de identificar suas estratégias de marketing mais bem sucedidas. A tática é feita por uma série de empresas, tornando os links uma combinação incompreensível de letras, números e caracteres especiais.

 

Google defende que extensão das URLs atuais deixa usuários confusos (Foto: Gabrielle Lancellotti/TechTudo)Google defende que extensão das URLs atuais deixa usuários confusos (Foto: Gabrielle Lancellotti/TechTudo)

Google defende que extensão das URLs atuais deixa usuários confusos (Foto: Gabrielle Lancellotti/TechTudo)

Encurtadores de links mascaram o endereço e, além disso, as telas dos smartphones são muito pequenas para exibir toda a URL de um site. A consequência desses fatores é que, muitas vezes, o usuário não consegue identificar em que página está. E essa confusão é explorada em diversas formas de ataque, reduzindo o nível de segurança na Internet como um todo.

"As pessoas têm muita dificuldade em entender as URLs. Elas são complicadas de ler, é difícil saber qual parte delas deveria ser confiável e, em geral, não acho que funcionam como uma boa maneira de transmitir a identidade de um site", diz a gerente de engenharia do Chrome, Adrienne Porter Felt em entrevista à Wired.

 

E qual é a solução?

 

O Google ainda não sabe. Adrienne Felt, juntamente com o engenheiro-chefe do Chrome, Justin Schuh, admitiram que a equipe está dividida em qual é a melhor solução a ser proposta. O grupo sabe que o assunto é extremamente delicado e que, independente da mudança, a iniciativa vai gerar resistência.

Justamente por isso os entrevistados se recusaram a dar exemplos práticos no momento. Adrienne Felt declarou que a equipe deve estar mais preparada para falar publicamente "na primavera", que começa em março nos Estados Unidos.

A diretora de engenharia do Chrome, Parisa Tabriz, endossa o posicionamento: "Eu não sei como isso será, porque é uma discussão ativa na equipe agora. Mas eu sei que tudo o que propusermos será controverso. Esse é um dos desafios de uma plataforma realmente antiga, aberta e em constante expansão. Mas é importante que façamos algo, porque todos estão insatisfeitos com as URLs".

Google ainda não divulgou qual será alternativa para barra de endereços (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)Google ainda não divulgou qual será alternativa para barra de endereços (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)

Google ainda não divulgou qual será alternativa para barra de endereços (Foto: Melissa Cruz/TechTudo)

 

Preocupação com URLs não é novidade no Google

 

Não é a primeira vez que o Google lança uma iniciativa neste sentido. A empresa já testou um recurso de formatação no Chrome chamado "chip de origem", que exibia apenas o nome de domínio principal dos sites, sem as adições das páginas internas. A proposta, lançada em 2014, era justamente melhorar a identificação dos portais, garantindo que o internauta soubesse em qual domínio estava navegando.

A solução permitia visualizar a URL completa ao clicar no chip. Mas a experiência foi conturbada e, em meio a críticas e elogios, o recurso foi abandonado após algumas semanas do pré-lançamento do navegador.

"O chip de origem foi a primeira incursão do Chrome na área. Descobrimos muito sobre como as pessoas pensam e usam URLs. [Mas] francamente, o tamanho do problema se mostrou mais difícil do que esperávamos. Estamos usando o feedback que recebemos em 2014 para elaborar nosso novo trabalho", contou Felt.

 

Mudanças bruscas são polêmicas

 

Ao explicar o projeto, ainda em caráter preliminar, o time do Google fez questão de destacar que a atualização das URLs não seria feita aleatoriamente. A ideia é aprimorar uma visão que já está em vigor, uma vez que os endereços atuais carregam a preocupação com a identificação do site.

Além disso, Parisa Tabriz relembrou as críticas pela iniciativa do Chrome de aplicar a criptografia na web HTTPS por padrão, tratando sites não criptografados como inseguros. "Algo tão básico quanto o HTTPS, todos na comunidade de segurança concordam que é bom. Mas você faz uma mudança e as pessoas surtam", analisa.