DOMINGO, 19 DE MAIO DE 2019
Publicada dia: 29/04/2019

Por que os pinguins não conseguem voar?

Fonte: megacurioso.com

Quando a gente pensa em aves, normalmente imaginamos elas voando alto no céu, algo que, é claro, não é uma regra em animais desse tipo. Emas, avestruzes e kiwis são incapazes de voar, enquanto galinhas conseguem apenas levantar alguns metros e percorrer pequenas distâncias.

Normalmente, aves que não conseguem voar acabam compensando a falta de habilidade em outros comportamentos. Esse é o caso dos pinguins, por exemplo: entre as áreas de alimentação e reprodução, eles precisam percorrer longas distâncias, mas acabam fazendo isso a nado ao invés de voar.

Apesar de exímios nadadores, os pinguins sempre intrigaram os biólogos pelo fato de não terem, simultaneamente, desenvolvido as técnicas de voo. Algumas espécies de aves, como os airos e as tordas, bastante semelhantes aos pinguins, mantiveram as duas capacidades, ou seja, tanto de mergulhar quanto de voar.

airos

Os airos são semelhantes aos pinguins, mas conseguem nadar e voar

 

E foi através do estudo dessas outras aves que foi possível compreender melhor os pinguins. Os airos gastam pouca energia, comparados com outras aves, quando estão mergulhando. Porém, proporcionalmente, são os que mais precisam de energia na hora de voar: eles gastam até 31 vezes mais do que quando estão em repouso.

A evolução dos pinguins os tornou exímios nadadores, já que é no mar que eles pegam seus alimentos. Assim, seu corpo, suas asas e sua energia foram se moldando para que ele se tornasse perito nesse aspecto, porém, a parte de voar acabou sendo deixada de lado – algo que, é claro, faz falta quando eles precisam caminhar até 50 km no gelo, ficando à mercê de predadores.

Os airos mergulham até 100 metros em busca de alimentos e gastam pouca energia para isso, assim, mantiveram a capacidade de voar. Já os pinguins podem mergulhar mais de 500 metros abaixo da superfície, necessitando de toda sua energia para essa tarefa.

PinguimTchibum

Os antepassados dos pinguins, segundo os paleontólogos, tinham a capacidade de voar, principalmente por conta de um corpo mais leve, composto de ossos ocos. Depois que eles passaram a se alimentar de animais marinhos, ao invés de animais terrestres, a necessidade de aprimorar o mergulho os fez mudar radicalmente a composição óssea e corporal.